quinta-feira, 11 de março de 2010

A diferença entre Justiça e Vingança

Antes de discutirmos qualquer assunto relacionado à justiça e a vingança, temos que diferenciar bem esses dois termos. Não podemos confundir a justiça com a vingança, pois a justiça possui um valor universal, estando ao lado de outros valores tais como: a liberdade, solidariedade, dignidade, valores inseridos no homem e na sociedade em que vivemos. Ela é regida por normas, tendo rituais, protocolos, fundamentos vinculados a direitos, construídos à partir de costumes. Quando acionada, ela se defronta com o princípio do contraditório, da legalidade, a fragmentariedade, da humanidade, da culpabilidade, dentre outros, que abrangem direitos individuais e coletivos que supostamente foram violados. Dessa forma, podemos afirmar que a justiça é regida por uma ética fundamental, que regula a vida humana em sociedade, visando um bem comum, mesmo quando ela se manifesta na forma de punição.
Já a vingança, não pode ser comparada a um valor, e sim, a um desejo de retaliação, que visa uma satisfação individual. Essa discussão sobre a vingança advém de muito tempo antes da civilização, onde registros históricos comprovam que somente após o perdão, a humanidade conseguiu prosperar. Ela possui objetivos essencialmente destrutivos, que se remetem ao senso primitivo do que seja justo. A vingança não busca acordos ou reconciliações, ela busca o mal, o sofrimento, fazendo com que aquele que o gerou, experimente um dano maior do que causou, tendo como base “olho por olho, dente por dente”, esgotando-se facilmente e nunca sendo totalmente saciada. Sendo assim, o indivíduo vingativo sente apenas um prazer momentâneo, que é tomado rapidamente por um vazio existencial, acompanhado na maioria das vezes por um sentimento de culpa e remorso.

Um comentário:

  1. Não concordo, a justiça muitas das vezes vem abraçada com a misericórdia e o indivíduo que causou um mal absurdamente gigantesco não paga nem de longe o mal q causou, já a vingança faz com esse mesmo indivíduo q destruiu algo ou alguém possa sentir na pele o q fez. Um estuprador por exemplo, se ele estupra alguém q não conhecemos e é preso e sentenciado tds dizem q foi feito justiça. Agora o mesmo casou com sua filha, irmã, neta, certamente mesmo pegando uma pena de 30 anos em regime fechado s condicional, jamais sentirá o alívio pela destruição moral e psicológica q tal indivíduo causou mas já com a pena de morte a pessoa diretamente atingida e seus familiares se sentirão vingados e justiçadods ao mesmo tempo. Não q eu esteja aqui dizendo q a morte é a solução mais sim o causador de td uma dor q sinta na pele o q causou.

    ResponderExcluir